temer no le mondeO jornal Le Monde que chegou às bancas na tarde desta terça-feira (16) traz uma reportagem de página inteira sobre a situação política do Brasil. Com a chamada de capa “O ano horrível de Temer”, a correspondente do vespertino em São Paulo faz um balanço do mandato desse “chefe de Estado acidental” que, segundo o texto, mergulha o país em uma profunda desordem.

Um ano após ter substituído a presidente de esquerda Dilma Rousseff, Michel Temer, que é “motivo de chacota por seu excesso de solenidade, tem dificuldade para impor sua legitimidade”, explica o jornal. “Desconfortável, ele foge desse ‘povo’ que gostava tanto de Lula. Impopular, ele evita as cerimônias públicas, com medo de ser vaiado”, continua o vespertino.

Para explicar esse contexto, a correspondente traça um perfil do atual presidente, lembrando que ele “representa melhor que ninguém a elite paulista”. O texto qualifica Temer, ex-presidente da Câmara dos deputados e professor de direito constituicional de refinado, erudito, fã de poesia, e que usa sempre um vocabulário preciso. “Um aristocrata, que representa o oposto de Lula, o ‘pai dos pobres’, querido dos mais humildes e que adora pontuar seus discursos com metáforas futebolísticas”, compara.

Do lado político, Le Monde explica que o atual chefe de Estado é um especialista das negociações entre partidos, das alianças e das intrigas. Segundo o vespertino, Temer não é audacioso, e sim oportunista. Ao sentir que a rua começava a protestar contra Dilma, ele se afastou da presidente, se isentando de qualquer responsabilidade nos erros da então chefe de Estado, explica o texto.

“Traidor para alguns, salvador da Pátria para outros, Temer prometeu, em seu primeiro discurso, reconciliar um Brasil castigado pelo impeachment. Mas seus primeiros passos foram apocalípticos”, lembra a correspondente, frisando que o governo do novo presidente era composto apenas por homens, brancos e idosos, projetando uma imagem ultrapassada. Sem esquecer a polêmica tentativa de acabar com o ministério da Cultura e suas declarações desastrosas sobre as mulheres, que irritaram os feministas, enumera o texto.

Mês após mês, a magra popularidade do presidente desmorona ao ponto de se aproximar de sua antecessora, constata a correspondente, lembrando que os muros das grandes cidades estão repletos de pichações “Fora Temer”. Mesmo assim, o chefe de Estado não parece se incomodar, comenta a reportagem. Ele se sentiria apoiado pelo mundo dos negócios de direita para implementar seu impopular programa de reformas estruturais, como a da aposentadoria ou ainda o congelamento dos gastos públicos do país, continua o texto.

A reportagem lembra que Temer não pretende se candidatar em 2018 e explica que um ano após a saída de Dilma do poder, a recessão e o desemprego continuam destruíndo o país, enquanto os escândalos de corrupção, que não poupam nenhum partido, provocam um vazio político. “Um espaço deserto que apenas Lula consegue ocupar”, apesar das acusações de corrupção que também o atingem, analisa o texto.

Brasil 247

COMPARTILHAR

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO


+ 1 = cinco