Parece que uma guerra cultural está declarada no Brasil.

Conforme relatado pelo UOL, um novo ataque à liberdade de expressão ocorreu neste final de semana na cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul, que tem um importante festival de inverno dedicado ao jazz e ao blues.

O clima começou a pesar na madrugada de sábado (27) para domingo, quando o público xingou o presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante o show de Gal Gosta. A cantora, segundo relatos de espectadores, manifestou satisfação e até estimulou, em alguns momentos, os gritos contra o presidente.

Em seguida, a banda BNegão e o Seletores de Frequência teve o show interrompido por policiais militares após críticas duras ao presidente. O som foi cortado por ordem dos policiais.

O relato de BNegão, um dos artistas mais importantes do rock e do ryhthm & blues do país, foi publicado pela revista Fórum.

Este já é o terceiro caso grave de ataque a shows de música por motivos políticos e todos perpetrados por policiais militares de Estados diferentes neste ano, de acordo com o UOL. Durante o show, segundo relatos compartilhados no Instagram do próprio BNegão, o cantor criticou o presidente, falando contra a violência policial e contra os ataques nas aldeias Wajãpis, no Amapá.

O show então foi interrompido pela Polícia Militar, segundo alguns presentes que divulgaram o episódio nas redes sociais. “A polícia chegou truculenta expulsando todo mundo”, disse uma das pessoas que assistiu ao show e que teve o relato divulgado nos stories do BNegão e registrado pela revista Fórum.

Em resposta a uma conta que disse que o festival devia explicações, BNegão disse que o festival “não tem culpa no cartório”. No entanto, a Prefeitura de Bonito se adiantou e soltou nota de repúdio à atitude dos músicos e defendendo, implicitamente, a ação policial.

O prefeito Odilson Arruda Soares (PSDB) publicou a nota de repúdio nas redes sociais e no site da prefeitura. Para ele, as críticas dos artistas e dos público a Bolsonaro foram “desrespeitosas”. “Antes de tudo, é importante destacar que o evento é promovido pelo Estado de Mato Grosso do Sul e não tem viés político, sendo um festival cultural”, postou Soares.

Já a Prefeitura de Bonito, de forma oficial, divulgou outro comunicado, enviado originalmente ao jornal/site Campo Grande News: “A Prefeitura de Bonito entende que todos tem direito a expressão, mas não concorda com manifestações explícitas de lados políticos, ou mesmo desrespeito aos atuais governantes durante o evento, seja por artistas contratados e pagos com recursos públicos federais, estaduais e municipais, ou por parte do público presente”.

Rap Mais

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here