MÚSICA

Orquestra Sinfônica da Paraíba apresenta concerto com regência do maestro paulista Marcos Arakaki

O maestro paulista Marcos Arakaki volta a reger a Orquestra Sinfônica da Paraíba no concerto desta quinta-feira (14/11), às 20h30, na Sala de Concertos Maestro José Siqueira, no Espaço Cultural, em João Pessoa, abrindo o Festival Internacional de Clarinete e Sax da Paraíba, promovido pela Universidade Federal da Paraíba. Músicas de Schubert, Offenbach, Francisco Mignone, Guinga e Maestro Duda compõem o programa deste 10º Concerto Oficial da Temporada 2019 da OSPB, que terá a participação da Banda Aquariana, formada por músicos da UFPB, e dos paulistas integrantes da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) Ovanir Buosi e Nailor Proveta como solistas. A entrada para o concerto é gratuita.

Para o maestro, que foi regente titular da OSPB no período de 2007 a 2010 e que esteve na Paraíba no ano passado como regente convidado da orquestra paraibana, o concerto desta semana é muito especial. “A Sinfônica da Paraíba foi convidada para fazer parte do festival de clarinete e sax, então a gente vai ter dois artistas de primeiríssimo nível tocando junto com a gente”, afirmou.

O concerto inicia com a execução da “Sinfonia n. 8 em Si menor, D. 759 – Inacabada” (Allegro moderato, Andante con moto), de Franz Schubert, seguida por “Intermezzo e Barcarolle”, da Ópera “Os Contos de Hoffmann”, de Jacques Offenbach. Depois será a vez do clarinetista Ovanir Buosi subir ao palco para participar do “Concertino para Clarineta e Orquestra (Fantasia, Toada, Final), composição de Francisco Mignone.

O músico Nailor Proveta vai participar de “Baião de Lacan”, música de Guinga e Aldir Blanc, com arranjo do próprio solista, que terá a participação da Banda Aquariana.  Encerrando o concerto, os músicos da orquestra paraibana vão tocar “Suíte Nordestina (Baião, Seresta, Maracatu e Frevo)”, do Maestro Duda.

Marcos Arakaki destacou o repertório escolhido para compor esse concerto, começando pelas músicas de Schubert e Offenbach, obras muito importantes do repertório sinfônico. “Em seguida, a gente vai tocar o Concertino para Clarinete, do Francisco Mignone, um compositor brasileiro que escreveu música para orquestra e para instrumentos solistas também, e nesse concertino ele mostra toda a virtuosidade, todo o brilho do clarinete, além de ser uma daquelas relíquias que se encontram dentro do repertório nacional, uma escrita tão bonita para um instrumento solista. E quem vai tocar com a gente é o Ovanir Buosi, que é primeiro clarinete da Osesp, um primeiro clarinete superimportante do cenário nacional”.

“A gente também vai ter Baião de Lacan, do Guinga, uma música superdeliciosa, com Proveta tocando junto com a gente, um exímio saxofonista, clarinetista também, e arranjador. E para encerrar, vamos tocar a Suíte Nordestina do Maestro Duda, do Recife, um compositor muito importante de música instrumental, que escreve música para carnaval”, explicou.

Marcos Arakaki – regente 

Considerado um dos mais expoentes regente brasileiros de sua geração, o paulista Marcos Arakaki teve seu talento reconhecido a partir de 2001, quando venceu o I Concurso Nacional Eleazar de Carvalho para Jovens Regentes, promovido pela Orquestra Petrobras Sinfônica, realizado no Rio de Janeiro. Desde então tem dirigido as principais orquestras sinfônicas brasileiras, além da Orquestra Filarmônica de Buenos Aires, de Karkhiv na Ucrânia, a Boshlav Martinu na República Tcheca, a Orquestra Sinfônica de Xalapa e da Universidade Autônoma do México.

Concluiu o bacharelado em música pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e o mestrado em regência orquestral pela University of Massachusetts. Participou do Aspen Music Festival and School (2005), nos Estados Unidos, recebendo orientações de David Zinman e de masterclasses com os maestros Kurt Masur, Charles Dutoit e Sir Neville Marriner.

Entre 2007 e 2010, trabalhou como regente titular da Orquestra Sinfônica da Paraíba e regente assistente da Orquestra Sinfônica Brasileira. Como regente titular, Arakaki promoveu a reestruturação da Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem entre os anos de 2008 e 2010, recebendo grande reconhecimento da crítica especializada e do público na cidade do Rio de Janeiro. Em 2009, recebeu o Prêmio Camargo Guarnieri, concedido pelo Festival Internacional de Campos do Jordão. À frente da Orquestra Sinfônica Brasileira, gravou em 2010 a trilha sonora para o filme Nosso Lar, composta por Philip Glass.

Como divulgador da música contemporânea, Arakaki regeu a estreia mundial de mais de 50 obras sinfônicas. Marcos Arakaki é regente associado da Filarmônica de Minas Gerais e colabora com a Orquestra desde 2011, com destacada atuação nos concertos para formação de público. É autor do livro A História da Música Clássica Através da Linha do Tempo, lançado em 2019.

Ovanir Buosi – Solista 

Natural de Americana (SP), iniciou seus estudos musicais aos 12 anos de idade e graduou-se pela Unesp, continuando sua formação no Royal College of Music de Londres.  Em Londres, integrou a Southbank Sinfonia, com a qual excursionou pela França e Itália e apresentou-se com o prestigiado grupo London Winds em performances no Cheltenham Festival, em turnê pela Holanda e no festival londrino The Proms.

Ovanir foi premiado nos concursos Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), I Prêmio Weril para Instrumentistas de Sopro, Solistas da Rádio MEC e no X Prêmio Eldorado de Música. Desde 1997 ocupa a cadeira de 1º Clarinete Solista da Osesp, tendo participado de diversas turnês internacionais pela China, Europa e Estados Unidos. Desenvolve intensa atividade camerística, sendo participante regular de importantes séries de música de câmara como a Solistas da Osesp, Semana Internacional de Música de Câmara do Rio de Janeiro, séries do Masp e Pinacoteca em São Paulo.

Fez parte do Quinteto de Sopros de Curitiba, do grupo London Winds e colaborou intensamente com o Quarteto Portinari, Quarteto Osesp, Quarteto Arianna (EUA), Quatuor Zaide (FRA) e com o pianista Horacio Gouveia. Desde 2016 integra o Quinteto Zephyros, realizando concertos em séries no Masp, Pinacoteca, Festival de Inverno de Campos do Jordão, e em cidades do interior do Estado de São Paulo.

Em sua discografia consta o registro de obras para quinteto de sopros de compositores das Américas com o Quinteto Zephyros, o CD intitulado ‘Retrato das Américas’ com o pianista Horacio Gouveia e ainda o CD com o Quinteto de Sopros de Curitiba. Atualmente é docente da Academia Osesp e constantemente é professor-recitalista convidado de diversos festivais ao redor do Brasil e em outros países como Colômbia, Argentina e China. É professor formado da Técnica Alexander e artista Buffet-Crampon.

Nailor Azevedo Proveta – Solista 

Graduado pela Unesp, estudou no Royal College of Music de Londres e integra a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). Foi premiado nos concursos Jovens Solistas da Osesp e no X Prêmio Eldorado de Música. Como solista, atuou com a Southbank Sinfonia e a Filarmônica de Belo Horizonte. Foi professor do Festival de Santa Catarina e do XXI Seminário Internacional de Música de Salvador. É professor na Academia de Música da Osesp, no Instituto Bacarelli e no Conservatório de Tatuí.

Proveta ocupa lugar de destaque na galeria dos principais músicos do Brasil. Aprendeu as notas musicais antes das letras do alfabeto. Aos 6 anos de idade, tocava clarinete na banda da sua cidade natal, Leme (SP). Passou depois a tocar em bailes no conjunto liderado por seu pai, o tecladista e acordeonista Geraldo Azevedo, e em outros grupos musicais da região. Mudou-se para São Paulo e, aos 16 anos de idade, já integrava a orquestra do Maestro Sylvio Mazzucca, famosa em todo o Brasil.

Foi convidado para acompanhar os principais artistas do Brasil – Milton Nascimento, Gal Costa, Edu Lobo, Raul Seixas, Guinga, Jane Duboc, Joyce, César Camargo Mariano, Maurício Carrilho, Yamandú Costa, entre outros, e também artistas internacionais, como Joe Williams, Anita O’Day, Bobby Short, Benny Carter, Natalie Cole, Ray Conniff e Sadao Watanabe. Atua intensamente nos estúdios de gravação como instrumentista e arranjador, tendo participado de centenas de gravações dos mais importantes artistas brasileiros.

Próximos concertos – A Orquestra Sinfônica da Paraíba volta a se apresentar no próximo dia 21 de novembro, na Igreja de Santana, no Bairro Funcionários II, em João Pessoa, dentro da programação do projeto OSPB nos Bairros, e no dia 12 de dezembro, na Sala de Concertos Maestro José Siqueira. Já a Orquestra Sinfônica Jovem fará concerto no dia 5 de dezembro, também no Espaço Cultural.

Mostrar mais

DiárioPB

Portal de notícias da Paraíba, Brasil e o mundo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
PUBLICIDADE