MaduroO presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que os latino-americanos devem ficar atentos às intenções do novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, alguém que estaria dando o seu país de presente aos interesses transnacionais dos Estados Unidos.

“Agora com a chegada ao poder — hoje, 1º de janeiro — do governo neofascista de extrema-direita de Jair Bolsonaro, bem, praticamente entregam em uma bandeja de prata o que o Brasil significa na América do Sul, na América Latina, para as transnacionais dos EUA”, declarou Maduro.

As declarações foram feitas pelo líder venezuelano durante uma entrevista oferecida ao jornalista espanhol Ignacio Ramonet, e que foi ao ar na noite de terça-feira pelo canal estatal Venezolana de Televisión.

Maduro declarou ainda que a América Latina é um território disputado, entre o modelo progressista e a extrema-direita e o descreveu como um processo de “triste regressão”.

Além disso, ele observou que nos últimos anos houve uma ofensiva “brutal” contra movimentos populares e lideranças alternativas que desde os anos 1990 “confrontaram e desmantelaram o neoliberalismo na América Latina”.

O presidente venezuelano sustentou que os projetos de extrema-direita que, em sua opinião, surgiram na região, foram numerados por alguns dias e previram o retorno de governos que ele descreveu como progressistas, mas considerou que eles retornarão “mais radicais”.

Os projetos dos presidentes Mauricio Macri da Argentina, Jair Bolsonaro do Brasil e Iván Duque da Colômbia não são viáveis, segundo a visão do líder venezuelano.

“Os projetos que a direita levanta são inviáveis, Iván Duque na Colômbia é inviável, Jair Bolsonaro vai seguir o mesmo caminho, projetos de direita, Macri na Argentina é um homem de renome”, avaliou.

Por outro lado, Maduro também se referiu à produção de petróleo da Venezuela e disse que é uma de suas maiores preocupações, mas ele tem certeza de que “2019 será o ano de recuperação na produção de petróleo”.

“Buscamos e defendemos um preço de equilíbrio que favoreça produtores e consumidores, e continuaremos a agir dessa maneira no âmbito do acordo dos países produtores membros da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e não membros da OPEP”, comentou o presidente do Palácio de Miraflores, em Caracas.

Em novembro, a produção de petróleo bruto do país caribenho caiu 4,3%, para fechar em 1,13 milhão de barris por dia (mb / d), o que contrasta com os 2,5 mb / d produzidos em 2016.

Agência Sputnik

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here