BRASIL

Madalena, resgatada de cativeiro, era tratada como escrava por professor universitário, que roubava sua pensão

247 – O Ministério Público do Trabalho e a Polícia Federal libertaram no último dia 28 de novembro Madalena Gordiano, de 46 anos, que vivia há 38 em situação análoga à escravidão, em um apartamento localizado no centro de Patos de Minas, Minas Gerais. A história comovente foi ao ar no programa Fantástico deste domingo (20).

A história ganha ares ainda mais cruéis com a informação publicada no jornal Tribuna de Minas, que aponta um professor universitário como o homem que mantinha a mulher como escrava, em sua residência.

Madalena foi morar ainda criança na casa  da professora Maria das Graças Milagres Rigueira que passou a escravizá-la. Como seu marido não gostava da criança, a educadora resolveu “doá-la” para Dalton Cesar Milagres Rigueira, também professor universitário.

A reportagem acrescenta que, na nova casa, nada mudou. Trabalho sem folga, de segunda a segunda, começando, normalmente às 4h da manhã, segundo relato de vizinhos.

Em depoimento à polícia, Dalton Rigueira disse que foi ela quem optou por largar os estudos e que ele não a incentivava a retornar porque “acredita que ela não se beneficiaria de receber educação”.

Ela vivia num cômodo do apartamento, sem ventilação ou janela.

Segundo a reportagem, Madalena se casou em 2001 com um tio de Valdilene Rigueira, esposa de Dalton Rigueira. Mas eles não chegaram a morar juntos. Ele era ex-combatente e deixou pensões para Madalena de, aproximadamente, R$ 8 mil.

Ela conta que ia ao banco com Dalton para sacar o dinheiro, mas que o “patrão” ficava com quase tudo. “Ele me dava duzentos, trezentos reais”.

A situação de Madalena só veio à tona quando ela começou a enviar bilhetes aos vizinhos em pedaços de guardanapo e folhas de caderno, pedindo pequenas quantias em dinheiro e produtos básicos de higiene pessoal. “Me empresta um sabonete para tomar banho. Você recebe minha oração. Madalena”, dizia um dos bilhetes.

Agora, Madalena tenta se adaptar à nova vida e fazer coisas simples, como ir ao parque e irá participar de uma video-chamada com as irmãs.

Mostrar mais

DiárioPB

Portal de notícias da Paraíba, Brasil e o mundo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar