Explosões em hotéisUma série de explosões em hotéis de luxo e igrejas católicas durante a celebração da Páscoa no Sri Lanka deixou 160 mortos e mais de 400 feridos neste domingo (21), segundo informações de autoridades policiais para a agência France Presse.

Os atentados foram registrados na capital, Colombo, e nas regiões de Katana e Batticaloa. De acordo com a polícia do Sri Lanka, os primeiros casos ocorreram por volta das 8h45 (0h15, no horário de Brasília) em três hotéis e três templos religiosos que realizavam missas. Mais tarde, outras duas explosões foram registradas na capital, uma delas em outro hotel.

Segundo uma fonte ouvida pela AFP, todas as mortes ocorreram em igrejas: 64 delas em um templo na capital, 67 em Katana e 25 em Batticaloa. Ainda segundo essa fonte, 254 pessoas foram hospitalizadas em Colombo e outras 60 nas localidades que foram atacadas fora da capital. Nenhum grupo reivindicou autoria das ações até o momento.

O que se sabe até agora

  • 8 explosões atingiram o Sri Lanka neste domingo;
  • Ao menos 4 hotéis e 3 igrejas católicas foram alvos;
  • Atentados ocorreram na capital, Colombo, e em outras duas cidades;
  • 160 pessoas morreram e mais de 400 ficaram feridas;
  • Nenhum grupo assumiu a autoria até o momento;
  • Católicos representam 7% da população;
  • Governo determinou toque de recolher;
  • Presidência decretou o bloqueio temporário das redes sociais para impedir a propagação de mensagens falsas.

Novas explosões

Por volta das 14h15 no horário local, uma nova explosão foi sentida em um outro hotel na capital do país. A agência France Presse cita fontes policiais para informar que mais duas pessoas morreram no ataque. Depois, houve mais um registro de explosão na periferia da cidade, mas ainda não há informações sobre vítimas.

Investigação

O primeiro-ministro, Ranil Wickremesinghe, convocou uma reunião do conselho de segurança nacional em sua casa para o final do dia. “Eu condeno veementemente os ataques covardes contra nosso povo hoje. Eu chamo todos para permanecerem unidos e fortes”, postou no Twitter.

O presidente do Sri Lanka, Maithripala Sirisena, pediu calma ao país. “Por favor, fiquem calmos e não sejam enganados por rumores”, declarou Sirisena, em mensagem à nação.

Sirisena, que se mostrou “em choque e triste com o que ocorreu”, esclareceu que “as investigações estão em curso para descobrir que tipo de conspiração está por trás destes atos cruéis”.

O governo impôs um toque de recolher no país. O governo também decretou um bloqueio temporário das redes sociais para impedir a difusão de mensagens falsas sobre os atentados. “O governo decidiu bloquear todas as plataformas de redes sociais com o objetivo de impedir a propagação de informações incorretas e falsas. Trata-se de uma medida temporária”, anunciou a presidência, em um comunicado.

Atentados desta magnitude não aconteciam no no Sri Lanka desde a guerra civil entre a guerrilha tâmil e o governo, um conflito que durou 26 anos e terminou em 2009 e deixou, segundo dados da ONU, mais de 40 mil civis mortos.

O último deles foi em 2018, quando o governo teve que declarar estado de emergência após confrontos entre muçulmanos e budistas. No Sri Lanka, a população cristã representa 7%, enquanto os budistas são cerca de 70%, de acordo com o Censo feito em 2012.

 

Novas explosões

Por volta das 14h15 no horário local, uma nova explosão foi sentida em um outro hotel na capital do país. A agência France Presse cita fontes policiais para informar que mais duas pessoas morreram no ataque. Depois, houve mais um registro de explosão na periferia da cidade, mas ainda não há informações sobre vítimas.

Investigação

O primeiro-ministro, Ranil Wickremesinghe, convocou uma reunião do conselho de segurança nacional em sua casa para o final do dia. “Eu condeno veementemente os ataques covardes contra nosso povo hoje. Eu chamo todos para permanecerem unidos e fortes”, postou no Twitter.

O presidente do Sri Lanka, Maithripala Sirisena, pediu calma ao país. “Por favor, fiquem calmos e não sejam enganados por rumores”, declarou Sirisena, em mensagem à nação.

Sirisena, que se mostrou “em choque e triste com o que ocorreu”, esclareceu que “as investigações estão em curso para descobrir que tipo de conspiração está por trás destes atos cruéis”.

O governo impôs um toque de recolher no país. O governo também decretou um bloqueio temporário das redes sociais para impedir a difusão de mensagens falsas sobre os atentados. “O governo decidiu bloquear todas as plataformas de redes sociais com o objetivo de impedir a propagação de informações incorretas e falsas. Trata-se de uma medida temporária”, anunciou a presidência, em um comunicado.

Atentados desta magnitude não aconteciam no no Sri Lanka desde a guerra civil entre a guerrilha tâmil e o governo, um conflito que durou 26 anos e terminou em 2009 e deixou, segundo dados da ONU, mais de 40 mil civis mortos.

O último deles foi em 2018, quando o governo teve que declarar estado de emergência após confrontos entre muçulmanos e budistas. No Sri Lanka, a população cristã representa 7%, enquanto os budistas são cerca de 70%, de acordo com o Censo feito em 2012

G1

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here