TOCA DO LEÃO

Viagra natural de Bananeiras foi estudado até na Europa

A banana é uma fruta tropical rica em carboidratos, vitaminas e minerais, fonte de energia, previne doenças cardíacas, é boa para digestão e se converteu em melhor amiga do homem de meia idade, a partir do fenômeno observado em um camarada chamado Jejé, natural de Bananeiras, brejo da Paraíba, ocorrência contada pelo jornalista e memorialista Rubens Nóbrega, no seu livro “Histórias da gente” que acabei de ler neste domingo. A partir da narrativa do sexólogo frugívero, passei a compor imediatamente o folheto “Viagra natural de Bananeiras foi estudado até na Europa”. Acredito que noventa por cento dos meus leitores já sabe o que significa o vocábulo “frugívero”. Mas, em respeito à minoria, obrigo-me a esclarecer que frugívero é a pessoa que tem as frutas como base de sua dieta, regime alimentar do tal Jejé de Bananeiras. Esse caboclo com mais de setenta anos se mantinha sexualmente dinâmico, diariamente assíduo e aplicado na cama com sua esposa, dona Ciça, feliz testemunha ocular e vaginal da banana de Jejé e suas potencialidades.

Conforme o memorialista Nóbrega, a banana cultivada no sítio de Jejé e por ele consumida em doses cavalares e muares foi estudada em todos os seus fatores biológicos, psicológicos, sociais e culturais por técnicos e cientistas da Universidade Federal da Paraíba e do Colégio Agrícola Vidal de Negreiros, chegando-se à conclusão de que “a banana de Jejé tinha mais potássio e mais vitamina A e E do que qualquer outra no planeta, apresentando-se bem maior e mais grossa do que todas as outras variedades”. A prefeita, dona Martha Ramalho, apressou-se em fixar oficialmente os direitos de produção e uso da marca, porque a fama da banana de Jejé correu o mundo e foi parar nos grandes laboratórios farmacêuticos da Europa e Estados Unidos, interessados em industrializar o “viagra natural” de Bananeiras. O próprio Jejé foi objeto de pesquisas e testes científicos internacionais, onde se confirmaram as virtualidades da vigorosa banana.

O cavalheiro ou a dama que quiser saber sobre a conclusão desse episódio gastronômico sexual que adquira o livro de Rubens Nóbrega ou espere o lançamento do folheto “Viagra natural de Bananeiras foi estudado até na Europa”, onde eu começo afirmando que o caju é o melhor amigo do homem que bebe e a banana é a melhor amiga do varão que gosta de “fazer amor”, como diria a senhorita recatada e romântica, ou do macho que aprecia copular, conforme definição do canalha Ameba, comentarista também presente no citado folheto. Aliás, essa brochura (nada a ver com falta de ereção), pode ser classificada no gênero cordel de gracejo, ou seja, o folheto voltado para o mundo do riso, onde se escancara a ironia e a espirituosidade do povo nordestino por meio dessas histórias rimadas e picantes da literatura de cordel. Sendo que este cordelista, reconhecido profissionalmente por força de lei federal, não se detém apenas no campo do cordel de gracejo. Sou orgulhoso autor, por exemplo, do folheto “A verdadeira história das pedras de Ingá”, onde misturo arqueologia com putaria, acompanhado desse mestre das ciências ocultas e apagadas, o poeta Vavá da Luz, xerife do Ingá do Bacamarte e pessoa altamente astuta, desse povo que dá beliscão em fumaça. Diferente dos estudos clássicos das civilizações antigas, em geral chatíssimos, meu folheto permite até comentários desairosos sobre a imemorial rivalidade entre as cidades de João Pessoa e Campina Grande:

Veja bem o estratagema
De Campina e João Pessoa
Pra saber quem é mais besta,
Quem mais lorota apregoa.
Um chama o outro “matuto”,
Pra deixar o outro “puto”
Diz que tem mar e lagoa.

Campina Grande entoa
Ser “Rainha do Nordeste”
Quanto à tecnologia.
Diz ser cidade da peste
No comércio de cigano
E ainda todo ano
Faz a sua apologia

Ao baião reverencia
No “maior São João do mundo”.
Com mania de grandeza,
Afirma ser oriundo
De enraizada matriz
E esmerados ardis
Quer ser chamada de alteza.

Essa parte foi inspiração do indecente Ameba, elemento mais mascarado de que Rubens Nóbrega quando o Vasco é campeão.

Mostrar mais

Fábio Mozart

Fábio Mozart transita por várias artes. No jornalismo, fundou em 1970 o “Jornal Alvorada” em Itabaiana, com o slogan: “Aqui vendem-se espaço, não ideias”. Depois de prisões e processos por contestar o status quo vigente no regime de exceção, ainda fundou os jornais “Folha de Sapé”, “O Monitor Maçônico” e “Tribuna do Vale”, este último que circulou em 12 cidades do Vale do Paraíba. Autor teatral, militante do movimento de rádios livres e comunitária, poeta e cronista. Atualmente assina coluna no jornal “A União” e ancora programa semanal na Rádio Tabajara da Paraíba.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar