INTERNACIONAL

Uruguaios realizam greve geral contra medidas neoliberais de Lacalle Pou

Presidente chamou paralisação de 'meramente política'; ato foi convocado por sindicatos e movimentos sociais

Opera MundiA central sindical Plenário Intersindical de Trabalhadores – Convenção Nacional dos Trabalhadores (PIT-CNT) do Uruguai, junto de outros movimentos sociais do país, convocou para esta quarta-feira (15/09) uma greve geral contra políticas econômicas e sociais do governo do presidente direitista Luis Lacalle Pou⁣⁣.

“Será uma das manifestações mais importantes dos últimos dez anos”, declarou à imprensa uruguaia o sindicalista e secretário geral do PIT-CNT Marcelo Abdala, afirmando ainda que “teremos uma mobilização impressionante em seu conteúdo e em sua qualidade”.

A paralisação teve início às 10h e está prevista para continuar ao longo do dia. Compondo o calendário de greve, uma marcha foi organizada às 11h30, com concentração em frente ao Palácio Legislativo, deslocamento pela avenida Libertador em direção à avenida La Paz, onde ocorreram as intervenções orais dos manifestantes.

As reivindicações do ato são pela defesa da educação pública, por planos de moradia e alimentação, em defesa das empresas públicas uruguaias, contra a fome e em repúdio aos cortes que o presidente propõe para o Instituto Nacional de Colonização (INC), que trata da distribuição de terras a pequenos produtores do país.

Os manifestantes também protestam contra artigos propostos por Lacalle Pou na Lei de Urgente Consideração (LUC), tida como neoliberal e conservadora pela oposição.

O ex-presidente José Mujica manifestou apoio à paralisação e compôs a marcha. “É um dia importante porque os trabalhadores recuperaram sua estatura de atores sociais”, disse em entrevista à rádio uruguaia Monte Carlo, afirmando ainda que “os trabalhadores estão se manifestando porque precisam de trabalho e lutam para melhorar seu salário quando ele é reduzido”.

Em resposta a Lacalle Pou, que disse que a paralisação é meramente política e “contra a LUC”, o ex-presidente Pepe Mujica declarou: “É político porque tem a ver com a distribuição do bolo na sociedade”.

Em julho deste ano, a Comissão Nacional Pró-Referendo do Uruguai havia coletado cerca de 800 mil assinaturas para solicitar um referendo nacional contra a LUC, aprovada ano passado pelo presidente Luis Lacalle Pou.

Com 100 mil assinaturas a mais do que o necessário, movimentos sociais, sindicatos e coletivos esperam conseguir a aprovação para a consulta popular e, assim, tentar revogar 135 dos 476 artigos do pacote de leis aprovado em 8 de julho do ano passado, após tratamento expresso no Congresso.

A LUC foi uma das principais propagandas de campanha eleitoral de Lacalle Pou, que assumiu a presidência uruguaia em 2020. Os artigos respaldam temas sobre a segurança, assim como áreas de educação, trabalho, economia, saúde e meio ambiente.

 

Mostrar mais

DiárioPB

Portal de notícias da Paraíba, Brasil e o mundo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar