JOÃO PESSOA

Diretor confirma dificuldades financeiras do Laureano e apela: ‘precisamos de ajuda’

Após a denúncia do paciente Cícero Tiago de Sousa, 31 anos, de que o hospital Napoleão Laureano não está realizando o tratamento de quimioterapia por falta de medicamentos, o diretor financeiro da fundação, Marcelo Lucena, em contato com o portal Paraiba.com.br, confirmou que tem passado por uma séria crise monetária.

“Somos uma instituição filantrópica, dependemos de ajuda financeira. O SUS não custeia nem metade do tratamento e não recebemos auxílio nem do Estado, nem da Prefeitura Municipal de João Pessoa. Tem situações em que o SUS paga apenas R$ 10 pela consulta médica. O médico não vai fazer por esse valor. Quem tem nos auxiliado ainda, por incrível que pareça, são os municípios do interior”, contou.

O diretor revelou que o tratamento com quimioterapia, que custa mais de R$ 1 milhão por mês, foi paralisado por conta dos altos custos. Ao todo, os gastos do Laureano ultrapassam os R$ 6 milhões. Ele ainda exaltou que, apesar disso, ainda está funcionando normalmente o serviço de fisioterapia, fonoaudióloga, cirurgias, psicologia e outros serviços.

“Realizamos mais de um milhão de procedimentos em 2018, atendemos a 76% dos casos de câncer da Paraíba, mesmo após a inauguração do Hospital de Patos, além de outros estados”, afirmou.

Marcelo recordou que o Napoleão recebia um convênio de R$ 300 mil mensais do governo do estado que não foi renovado desde o início de 2018 e que os valores gastos são contabilizados em dólares, o que prejudica ainda mais as finanças.

“O orçamento é curto para a demanda. Se cada um pudesse ajudar com um pouco seria muito bom para todos até porque muitos só lembram do Laureano quando precisam”, apelou.

por Portal Paraíba

Mostrar mais

DiárioPB

Portal de notícias da Paraíba, Brasil e o mundo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
PUBLICIDADE