Angela MerkelA chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse neste domingo, em seu tradicional discurso de Ano Novo, que a Alemanha tem interesse em assumir mais responsabilidades em escala mundial, numa época em que o multilateralismo sofre ataques, informou a agência France Presse.

Merkel constatou que as antigas certezas em torno da cooperação internacional foram colocadas à prova, e que a Alemanha deve “se manter firme, argumentar e lutar por suas próprias convicções”.

“Nenhum país pode enfrentar sozinho os grandes desafios mundiais, como as mudanças climáticas, os movimentos migratórios e a luta contra o terrorismo”.

 

“Por nossos próprios interesses, queremos responder a todos estes temas, e podemos fazê-lo ainda melhor levando em conta os interesses dos demais”, declarou em seu discurso, que será divulgado integralmente amanhã.

“Esta é a lição das duas guerras mundiais do século passado. Pelo nosso interesse, devemos assumir mais responsabilidades”.

 

Merkel também se comprometeu a aumentar a ajuda humanitária e ao desenvolvimento, além do orçamento de defesa.

Ela lembrou que a partir do dia 1º de janeiro, a Alemanha terá um posto não permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas e que o país agirá em favor de soluções globais, segundo a agência EFE.

Renúncia à liderança de partido

 

Depois de 13 anos à frente da maior potência econômica e política europeia, Merkel renunciou no fim de outubro à liderança da CDU, após os resultados negativos do partido nas eleições regionais naBaviera (sul) e em Hesse (oeste).

Annegret Kramp-Karrenbauer, conhecida como AKK, foi eleita a nova líder do partido com um pouco mais de 51% dos votos. Ela é secretária-geral do partido e considerada a “Merkel bis”, já que defende a mesma linha de centro-direita da chanceler.

AKK concorreu contra o milionário Friedrich Merz, que propõe uma guinada à direita da CDU e do país, e o ministro da Saúde Jens Spahn, muito crítico de Merkel.

Merkel: ‘Momentos difíceis’

 

Em seu discurso de despedida da liderança da CDU, Merkel fez uma defesa aos valores “cristãos e democráticos”, ante o avanço das tendências populistas e nacionalistas no mundo, em seu último discurso como presidente da CDU.

“Nestes momentos difíceis, não devemos esquecer nossos valores cristãos e democratas”, afirmou Angela Merkel. “Sinto reconhecimento por ter sido presidente durante 18 anos”, afirmou Merkel na abertura do congresso na quinta-feira.

“Foi um período muito longo, no qual a CDU passou por altos e baixos”, acrescentou.

G1

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO