INTERNACIONAL

24 de setembro. Greve climática de estudantes internacionais: o capitalismo mata o planeta, temos que defendê-lo!

Nenhum canto do planeta escapa da destruição ambiental a que o sistema capitalista nos condena. Os terríveis incêndios na Grécia, Turquia, Sibéria ou Califórnia, as ondas de calor que varreram o Canadá e a costa leste dos Estados Unidos, deixando centenas de mortos e milhões de peixes sufocados pelo aquecimento oceânico, o derretimento do território ártico – no início Agosto, a calota polar que cobre a Groenlândia perdeu aproximadamente 8.000 milhões de toneladas por dia – terremotos no Haiti, inundações na Alemanha, Bélgica e China … são a crônica de uma catástrofe que está avançando a um ritmo imparável.

A proliferação de vírus e pandemias, como o Covid-19, está totalmente ligada à destruição da biodiversidade, sujeita à lei de lucro máximo que as multinacionais impõem ao meio ambiente.

O último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPPC) da ONU é devastador: “muitas das mudanças observadas no clima não têm precedentes em milhares, senão centenas de milhares de anos.” No entanto, a mudança climática não é um castigo divino. É o resultado da ação destrutiva do modo de produção capitalista sobre o ecossistema, e da cumplicidade dos governos que sustentam a chamada economia de mercado.

Catástrofe climática, catástrofe capitalista

Os dados sobre a responsabilidade que grandes empresas e oligopólios têm na destruição do planeta não podem mais ser ocultados. Os culpados desta situação não são a “humanidade” em geral, são os capitalistas: 20 empresas de combustíveis fósseis geram um terço das emissões globais de gases com efeito de estufa e 100 multinacionais emitem 80% do CO2.

Todos os governos, sejam eles abertamente de direita ou social-democratas autoproclamados, insistem repetidas vezes que estão sendo tomadas medidas para conter a mudança climática. Que mentira desprezível! As cúpulas do clima, desde o Acordo de Paris até a COP25 de Madri, fracassaram porque são organizadas e controladas pelos mesmos que arrasam o planeta para encher seus bolsos.

As declarações e propaganda ambiental das empresas de electricidade, gás e petróleo, dos bancos ou das grandes empresas têxteis e agro-alimentares são uma fraude completa. O “verde” está na moda em todos os seus anúncios, mas nada mais é do que um truque flagrante para enganar a opinião pública. Palavras cínicas para descarregar o peso de sua atividade criminosa sobre os ombros da população e drenar o grosso de sua responsabilidade.

Esta é a lógica do capitalismo: o lucro máximo de poucos sobre as necessidades humanas, sociais e ambientais da maioria.

Para salvar o planeta você tem que romper com o sistema: greve climática em 24-S!

O chamado ‘capitalismo verde’ é uma verdadeira farsa e falhou. Contar com a ação de governos e empresas para impedir o desastre que estamos vivenciando é um erro. Só podemos contar com nossa própria força e capacidade de luta e mobilização. Os jovens o mostraram nestes anos e continuaremos a fazê-lo com mais força.

Portanto, desde o Sindicato Estudantil, convocamos todos os alunos para a greve estudantil global do clima no dia 24 de setembro e convocamos para esvaziar as salas de aula e encher as ruas nas manifestações que iremos celebrar às 12 horas nas diferentes cidades do Estado espanhol.

Esse dia será mais uma vez um dia de luta impressionante, com milhões de jovens nas praças de todo o mundo.

Somente com o fim da opressão capitalista, nacionalizando as grandes multinacionais sob o controle democrático da população, a atividade produtiva será planejada para atender às prementes necessidades sociais, garantindo saúde e educação pública, moradia acessível e digna para todos, emprego sem precariedade ou baixa salários, e que respeite o meio ambiente. Somente com a transformação socialista da sociedade seremos capazes de preservar o meio ambiente de certas destruições e alcançar a justiça social e climática.

União de Estudantes

Mostrar mais

DiárioPB

Portal de notícias da Paraíba, Brasil e o mundo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar