COLUNASCONSCIÊNCIA & POLÍTICA

IDEOLOGIA – O que é? Seus conceitos e aplicações.

Aproveito esse espaço, devido a carência de massificação de um Tema tão importante, que interfere diretamente na vida das pessoas, das cidades, dos Estados, dos Países, do mundo. Existe um certo silêncio sobre o assunto, não há interesse por parte dos poderosos, dos políticos, dos mandatários, de difundir esse conhecimento, parece parte de um processo esconder. Nas Escolas é dado ao alunado apenas fragmentos, criando no inconsciente coletivo a falsa vênia que, este tipo de tema não seja necessário, não mereça importancia.

Face a isso, mesmo correndo o risco de parecer maçante, visto que você foi educado, mesmo que inconscientemente, a não gostar de política. Meu intuito é levar até você o mínimo de informações teóricas referentes ao tema, almejando dotá-lo do necessário para a compreensão, das situações que irás vivenciar durante o cotidiano, visto ser, a Política, uma das mais importantes das Ciências Humanas, Ciência esta que nos permitem conhecer a história, entender o homem e a sociedade, compreender a geopolítica global e nos dá acesso a um mundo de artes e literatura. Todas essas possibilidades oferecidas pelas ciências humanas fazem o indivíduo tornar-se crítico e com isso, entender a realidade à sua volta. Mais que isso, permitem que as pessoas questionem ou critiquem o sistema. E é justamente isso que os governos não querem.

Advêm da necessidade do ser humano de se organizar, sendo o homem um ser sociável, só vive em sociedade, a política. E o que é a Política: A palavra política tem vários significados. Um deles é o ato de governar, de administrar e cuidar das instituições públicas, ou seja, do Estado. O povo paga impostos e esse dinheiro deve ser aplicado para o bem de todos, como, por exemplo, para a construção de escolas, creches, universidades, hospitais, estradas e casas; ou para contratar policiais para manter a segurança pública, etc. Em suma, Política é a atividade desempenhada pelo cidadão quando exerce seus direitos em assuntos públicos através da sua opinião e do seu voto. A política busca um consenso para a convivência pacífica em comunidade. Por isso, ela é necessária porque vivemos em sociedade e porque nem todos os seus membros pensam igual. E por não haver essa harmonia de pensamentos, cada indivíduo é livre para formar sua opinião e, como existem diversas teorias formuladas por centenas, milhares de pensadores, que explicam a realidade do mundo sob diversos prismas, natural a existência de várias formas de pensamento e a isso denominamos Ideologia.

O que é Ideologia? Ideologia é um conjunto de princípios que expressam uma determinada visão de mundo. São as ideias que representam um grupo de pessoas com ideias semelhantes sobre sociedade, economia, valores e política. As ideologias também podem representar um tipo de pensamento ou modo de funcionamento de uma época da história. Portanto, as ideologias são ideias centrais que servem de base para uma sociedade, um movimento social, um partido político ou qualquer outro grupo de pessoas que se reúna por afinidades de pensamentos e valores.

senso comum entende a ideologia como um simples conjunto de ideias ou uma idealização sobre algo. Porém, a ideologia é muito mais do que isso. Podemos conceituar ideologia de duas formas: a visão clássica e a visão crítica. Na visão clássica, o termo tem o significado de uma espécie de ciência capaz de organizar metodicamente e estudar rigorosamente o conjunto de ideias que formam a intelectualidade humana. Na visão crítica, a ideologia é uma ilusão criada por uma classe para manter a aparente legitimidade de um sistema de dominação.

O termo ideologia vem da junção das palavras gregas “idea” mais “logos”, e quer dizer, literalmente, “doutrina das ideias”. Podemos considerar dois diferentes significados principais de ideologia, sendo um positivo e o outro negativo. O primeiro significado de ideologia, denominada de Ideologia positiva é um conjunto de ideias que pretende explicar a realidade e as transformações sociais. Neste sentido, é sinônimo de doutrina ou ideário em geral e tem a função de orientar a ação social de indivíduos e de grupos. Aqui, a ideologia tem um caráter descritivo (ela explica como as coisas são) e também normativo (como deveriam ser). Seu uso levou a uma sensação positiva de ideologia como qualquer visão de mundo ou corpo de pensamento filosófico. Por este ponto de vista, a ideologia abrange toda a esfera da cultura, incluindo a ciência, e pode ser vista como um intermediário necessário entre os indivíduos e o mundo. O segundo significado de ideologia, denominada de Ideologia negativa é uma segunda concepção que advém do pensamento marxista. Na obra de Karl Marx, a ideologia aparece como algo necessariamente negativo e pejorativo: segundo alguns teóricos, trata-se da distorção do pensamento que nasce das contradições sociais e que serve justamente para ocultar ou disfarçar tais contradições

Neste sentido, conforme o Pensamento Marxista, a ideologia funciona politicamente como um elemento específico da superestrutura da sociedade. Lembremos que, no pensamento marxista, a superestrutura deriva do conflito de interesses das diferentes classes que fazem parte da base econômica de determinada sociedade. A superestrutura compreende os modos de pensar, as visões de mundo e demais componentes ideológicos de uma classe e tem como função manter as relações econômicas que constituem a infraestrutura, reforçando assim os interesses coletivos da classe dominante, através da força persuasiva dos seus componentes ideológicos.

Para Marx, ideologia é um instrumento de dominação que age através do convencimento (e não pela força física), alienando a consciência dos trabalhadores da sua condição de explorado. De acordo com Marx, os mecanismos ideológicos transformam as ideias particulares da classe dominante em ideias universais para a sociedade como um todo, de modo que a classe que domina no plano econômico, social e político também domina no plano das ideias. Em outras palavras, a ideologia é o meio usado pela classe dominante para exercer sua dominação, fazendo com que esta não seja percebida como tal pelos dominados. Logo, quanto maior for sua capacidade de ocultar a luta de classes, mais eficaz é a ideologia. Deste ponto de vista, a ideologia funciona como uma falsa consciência, inibindo o desenvolvimento de uma consciência de classe de fato. Esta visão crítica do conceito de ideologia trazida por Marx condiz com o objetivo principal da sua obra, que, através do seu materialismo histórico, busca desmascarar a ideologia dominante, mostrando que ela é na verdade resultado da luta de classes.

Isso mesmo, também podemos definir Ideologia como um conjunto de ideias, concepções, opiniões sobre algum tema, quando perguntamos por exemplo, qual é a ideologia de um determinado pensador, estamos nos referindo à doutrina, a um conjunto de posicionamentos e ideias seguidos por ele diante de determinados fatos.

Karl Marx conceituou Ideologia como um sistema de pensamento, ou seja, uma forma de conceber o mundo que abrange, principalmente, os seus aspectos sociais (relações entre os homens e a sua atividade); “Visão do mundo”, isto é, produto e reflexo de uma época e de uma sociedade, mais especificamente de grupos sociais reais, estratos e classes, expressando os seus interesses, a sua atividade e o seu papel histórico; Não seria, para este pensador, um sistema de pensamento neutro, pois para ele a ideologia teria uma função que é a de legitimar, justificar e contribuir, ou para a manutenção da ordem social existente, ou para a sua transformação.

Marx compreende a ideologia como uma consciência falsa, proveniente da divisão entre o trabalho manual e o intelectual. Nessa divisão, surgiriam os ideólogos ou intelectuais que passariam a operar em favor da dominação ocorrida entre as classes sociais, por meio de ideias capazes de deformar a compreensão sobre o modo como se processam as relações de produção. Neste sentido, a ideologia (enquanto falsa consciência) geraria a inversão ou a camuflagem da realidade, para os ideais ou interesses da classe dominante.

Cabe aqui citarmos também uma outra definição de ideologia, muito importante, a do pensador Antonio Gramsci, para ele a ideologia significava uma concepção de mundo, manifestando-se de modo tácito na arte, no direito, na atividade econômica, enfim em todas as manifestações da vida, e ainda de acordo com Gramsci, a ideologia tem por função conservar a unidade de toda sociedade. Segundo Gramsci, as ideologias: “(…) organizam as massas humanas, formam o terreno sobre o qual os homens se movimentam, adquirem consciência de sua posição, lutam, etc.”

Em suma, dada a importância de se ter o conhecimento de como se processam o mundo e as coisas, cabe ao cidadão(ã) buscar esse conhecimento vital para a sua vida prática, sua complexa vida em sociedade, em conviver com os desiguais dado a imensa gama de concepções. A falta deste conhecimento o leva a ser enganado, para isso temos várias situações, tais como: Na Representação da realidade, quando um Político Se utiliza de símbolos e criação mental, remetendo ao povo o conceito de pátria ou o sentimento patriótico, como artifícios de manutenção do poder político; Na Generalização do particular, para assegurar a aceitação e unanimidade, Trata o específico como exemplo de um fenômeno geral, tal como as afirmações: “Todos os alunos (as) de uma determinada turma são iguais”, “Todos os que discordam do Governo são Comunistas”, quando sabemos que são afirmações ideológicas como forma de manterem a aceitarem e através do consenso manterem a dominação; Na Inversão da realidade, quando escondem as causas reais de um fenômeno: A desigualdade entre os homens e mulheres é normal”, “O MST não luta pela reforma agrária, mas invade as terras”, “Quem nasce pobre, é natural morrer pobre”, “O pobre é pobre por ser preguiçoso”, “Político rouba e não vai preso por ser rico”. Sabemos que, na realidade, essas afirmações, impostas no inconsciente do povo, são meras imposições ideológicas para que não haja controvérsias nem discordâncias.

Portanto, para não serdes enganado e incorrer ao erro e, na política, errar custa caro, erros políticos geram desemprego, fome, miséria, guerra, geram mortes. Para evitar esses erros, que não é um erro individual e sim coletivo, visto que você “só consegue viver em sociedade”, torna-se necessário seu empenho, seu esforço, sua dedicação, em ler mais, informar-se mais, reunir-se mais com seus amigos, companheiros (as) de trabalho, de estudo, etc. Debatam, discutam, avaliem conjuntamente tudo que acontece no seu bairro, na sua cidade, no seu Estado, no seu Pais, levando em conta que os fenômenos sociais, os acontecimentos sociais, se bons ou ruins, irão refletir, irão impactar suas vidas, na vida de suas famílias.

 

Mostrar mais

Marcelino Chagas

Empresário, Professor e Ativista Político.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar