A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou, nesta segunda-feira, a proibição da fabricação, venda e comercialização do energético Dopamina. A resolução da Anvisa data da última sexta-feira, mas foi publicada no Diário Oficial da União de hoje.

Foto: Ilustração
Foto Ilustração: Sérgio Ricardo/DIÁRIOPB

A medida foi justificada pela agência como de ‘interesse sanitário’, sem maiores especificações. Além da proibição, a Cerveja Imperial de Petrópolis, responsável pela marca, terá que recolher todos o estoque do produto no mercado.

A bebida chegou ao mercado em outubro do ano passado. Em seu site oficial, o energético é descrito como motivador.

“A bebida que vem com taurina, cafeína e, principalmente, tirosina. Sim. Vamos continuar vivenciando ao máximo o mundo das possibilidades. E claro: cada vez mais se surpreendendo com a motivação, a concentração e a criatividade”, diz um trecho da página.

Taurina e Tirosina são aminoáciodos não essenciais que ajudam no metabolismo das proteínas. A dopamina é um neurotransmissor associado a sensações de bem-estar, produzido pelo corpo.

Nas resoluções listadas pela Anvisa há citações sobre o critério de adição de nutrientes essenciais, especificando que o consumidor não deve ingerí-los em quantidade excessiva ou insignificante, adição de outro ingrediente em produtos com taurina ou cafeína que não descaracterizem o produto.

Além da bebida, a empresa também comercializa bolsas, camisetas, porta-copos e outros produtos ligados à marca. Procurada pela reportagem, a Cervejaria Imperial de Petrópolis ainda não se pronunciou sobre o caso.

O DIA

COMPARTILHAR

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO


cinco × = 35